O talento no esporte: sorte ou trabalho duro

Por Eder Gonçalves.

Hoje li uma publicação, no Facebook, de um grande amigo sobre a questão do talento e da treinabilidade. Há tempos este mesmo amigo me solicita um artigo para publicar na página da AppelBrasil, sua empresa de treinamento personalizado, da qual mesmo à distância, sou colaborador. E então, me lembrei de um livro que li há meses: “O Código do Talento”, de Daniel Coyle (2010). Este interessante livro, de leitura obrigatória, será o alicerce para esta pequena discussão sobre o talento e sua construção ao longo dos anos e períodos de treinamento.

A primeira curiosidade é que este livro não foi escrito por um psicólogo, ou um neurocientista, ou ainda, por um professor de educação física. Seria mais comum que isto ocorresse, pois são profissionais que, em teoria, sabem bem como é o comportamento humano e em quais ambientes, além de quais os métodos de treinamento, são os mais adequados para a construção de atletas inteligentes e criativos para o esporte. Entretanto, Daniel Coyle é um jornalista esportivo, proveniente de uma cidade com aproximadamente 10 mil habitantes.

Dentre as inúmeras questões abordadas por este jornalista, a tríade que conduz a discussão é: Treinamento Profundo, Ignição e o Grande Treinador. Daqui em diante, apresento os conceitos e ao final, me posiciono em relação à construção do talento.

O Treinamento Profundo refere-se às práticas ricas em oportunidades de aprendizado, sem se limitarem apenas às repetições mecânicas de certas habilidades. O treinamento profundo depende de um envolvimento íntimo do aprendiz com a habilidade desejada, alimentada por um intenso desafio interno. Para Coyle, e para os grandes treinadores por ele entrevistados, os erros e a forma como lidamos com eles, têm papel estratégico no ato de aprender de forma diferenciada. O autor coloca como exemplo a aprendizagem do ato de andar dos bebês que através dos erros e acertos, adquirem a habilidade de caminhar.

A Ignição é o termo que Daniel Coyle escolheu para resumir a energia, a paixão, o compromisso que o aprendiz precisa ter para tornar o treinamento profundo eficaz, ou seja, para que o treinamento seja realmente profundo. Na Psicologia do Esporte, este desafio interno é conceituado como motivação intrínseca (SAMULSKI, 2009). Em outras palavras, ignição representa uma motivação e entusiasmo especiais pela aprendizagem de determinadas habilidades. Esta motivação e este entusiasmo costumam ser contagiantes e são inspirados por padrões, referências ou modelos que criam verdadeiros ambientes de aprendizagem, independentemente de existir ou não uma infraestrutura considerada mais adequada (instalações, equipamentos modernos etc.). As fábricas de talento, visitadas por Coyle, que mais produziram atletas possuíam instalações que colocavam os atletas em situação de desconforto. O futebol de rua, praticado em muitos lugares no Brasil, pode ser considerado um bom exemplo deste ambiente favorável de aprendizagem.

O Grande Treinador é o elemento que completa a tríade para o desenvolvimento do talento, na prática de determinadas habilidades. O perfil deste treinador, mestre ou professor, entretanto, não se resume a um profissional que seja um grande líder impositivo, conhecedor das técnicas que se propõe a ensinar ou alguém capaz de executar com precisão a habilidade que ensina. Pelo contrário, o grande treinador tem o papel de facilitar a aprendizagem e guiar os alunos individualmente ou em pequenos grupos. Para isso precisa consciente ou mesmo, intuitivamente, conhecer as particularidades do aprendiz e saber como ele pode realizar o treinamento profundo, com disciplina, compromisso, intensidade, entusiasmo e paixão.

A seguir, coloco o esquema idealizado por Coyle, explicando como concebe a construção do talento através da análise da tríade anteriormente discutida:

Coyle

Ao final deste pequeno ensaio, deixo minha opinião em relação ao talento. O talento é construído. Com muito trabalho, ambiente e atividades adequadas a cada indivíduo, além de afinidade entre treinador e atleta.

fabi_fabricio_2

REFERÊNCIAS:
COYLE, D. O Código do Talento. Rio de Janeiro: Agir. 2010. 272 p.
SAMULSKI, D. Motivação. In: D. Samulski (Ed.). Psicologia do Esporte: Conceitos e Novas Pespectivas. Barueri: Manole, v.2, 2009, p.496.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s